Inventário

Em Portugal, inventário só pode ser feito na Justiça

Por Aline Pinheiro

Há pelo menos seis anos, Portugal estuda maneiras de desafogar o Judiciário e melhorar a prestação jurisdicional. E há pelo menos três, tenta dividir com cartórios extrajudiciais a carga de alguns procedimentos judiciais mais simples, como inventários. Embora desde 2009 exista lei prevendo que as partilhas sejam feitas diretamente nos cartórios, na prática tudo continua à moda antiga.

A culpa do atraso na simplificação dos inventários está numa salada de leis e portarias que surgiu após a publicação em 2009 da primeira norma sobre partilha em cartório. Esta lei deveria entrar em vigor já em janeiro de 2010, mas uma nova norma veio adiar a sua vigência para o meio do ano. Já no segundo semestre do ano passado, quando a tal lei sobre inventário extrajudicial teoricamente já estava em vigor, uma nova surgiu para suspender a sua eficácia com caráter retroativo.

A situação da lei de 2009, atualmente, é a seguinte: só existe no papel. De acordo com a última alteração, a norma só pode entrar em vigor depois de 90 dias da publicação de uma portaria que a regulamente. Essa portaria ainda não existe. O que existe é uma confusão de herdeiros e casais se separando sem saber se fazem a partilha na Justiça, nos cartórios ou desistem.

Em julho, antes de entrar em recesso, o Tribunal Constitucional português se manifestou sobre o assunto. Os juízes decidiram que, até a tal portaria nascer e completar 90 dias, a lei dos inventários extrajudiciais não produz efeitos e, por isso, as partilhas só podem ser feitas na Justiça.

A resposta veio para pôr fim a entendimentos conflitantes. Alguns juízes entendiam que podiam fazer a partilha; já outros decidiam que a lei de 2009 tinha tirado deles a competência, mas também não sabiam quem poderia resolver. No caso que deu origem ao posicionamento da corte constitucional, o julgador chegou a considerar a tal lei — que existe, mas não produz efeitos — inconstitucional, justamente por criar um vácuo legislativo ao tirar dos juízes a competência para inventários e não repassar automaticamente para os cartórios.

Clique aqui para ler a decisão.

Aline Pinheiro é correspondente da revista Consultor Jurídico na Europa.

Revista Consultor Jurídico, 1º de setembro de 2011

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s