Cana-de-açúcar

Plantação de cana avança 230 mil ha em São Paulo

02/07/2011  –  08h00

 

Embora já esteja saturada em algumas regiões, a cana-de-açúcar avançou em São Paulo e, em somente um ano, passou a ser cultivada em mais 237 mil hectares.

Com o crescimento, a cana passou a ser cultivada em 5,18 milhões de hectares, o que representa 4,75% mais que o cultivado no ano passado, segundo dados do IEA (Instituto de Economia Agrícola), órgão vinculado à Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento.

Com isso, a expectativa é que a produção paulista atinja 437,5 milhões de toneladas na nova safra, 4,67% mais que na safra anterior. Os dados são referentes a abril.

Com pouco espaço para crescer em regiões tradicionais, como Ribeirão Preto, a cultura se expandiu principalmente sobre áreas de pastagens, mas também atingiu, em menor escala, pomares de laranja de São Paulo, segundo Sérgio Torquato, pesquisador científico e coordenador de cana do IEA.

Segundo ele, a cana está avançando no oeste do Estado, única fronteira que pode ser explorada pela cultura.

Pecuaristas da região estão arrendando as terras para usinas, mantendo o número de cabeças de gado numa área menor de pastagem.

Já os produtores de laranja que tiveram problemas com doenças, como o greening, estão substituindo a cultura.

Apesar do crescimento, ele não será suficiente para suprir a demanda por álcool e açúcar, diz o pesquisador, reflexo da falta de investimentos que deveriam ter sido feitos há dois anos, e suspensos após a crise de 2008.

“Nas últimas safras não houve renovação de canaviais. O setor estava descapitalizado, o que refletiu na safra seguinte.” A própria entidade que representa as usinas no Centro-Sul reconhece o deficit de lavouras.

MAIS PRODUÇÃO

Segundo Sérgio Prado, da Unica (União da Indústria de Cana-de-Açúcar) na região de Ribeirão Preto, entre 2003 e 2010 a capacidade de produção da cana dobrou.

Mas ainda seriam necessários mais 400 milhões de toneladas de cana –ou quase a totalidade da produção paulista– para suprir a demanda dos veículos flex nos próximos dez anos.

Além disso, fatores climáticos, como o excesso de chuvas, que atrasaram o plantio da cana, contribuíram.

Embora o estudo do IEA tenha captado alta de 4,67% de produtividade frente ao mesmo período do ano anterior, o índice deverá fechar 2011 negativo, segundo Torquato.

Ele prevê que haverá falta de cana antes da entressafra. “É provável que tenhamos dificuldades sérias já em outubro ou novembro”, disse.

Com a recuperação do setor e a capitalização dos produtores, os investimentos estão sendo retomados, mas só terão reflexos daqui a dois ou três anos, de acordo com o setor sucroalcooleiro.

  Alex Argozino/Editoria de Arte/Folhapress  

ulo

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s