Campus Party 2011

Como foi a Campus Party 2011

23 de janeiro de 2011|8h00|

Por Redação Link

Encerram-se hoje as atividades da quarta Campus Party no Brasil. O evento, que mudou de administração pela primeira vez nesta edição, contou com uma série de problemas estruturais que o fizeram começar de forma tensa. O novo diretor do evento, Mario Teza, assumiu o cargo prometendo menos filas e mais atrações, mas teve de amargar quedas de energia elétrica e até conexão com a internet instável, mas a qualidade das atrações fez que o evento tivesse grandes momentos, como recapitulamos a seguir.

A Campus Party começou oficialmente na noite de segunda, 17, mas na prática, a terça-feira que marcou o início das atividades no Centro de Exposições Imigrantes, em São Paulo. O primeiro dia ficou reservado basicamente para as longas filas de cadastro dos participantes e de seus computadores. Pelo menos, uma boa notícia ajudou a salvar o dia: 300 novas vagas foram abertas “de surpresa”, e preenchidas em pouco mais de uma hora.

E aí, na terça-feira, 18, as megaproporções do evento somadas a instabilidade do clima em São Paulo e a comoção em torno do ex-vice presidente dos EUA, Al Gore, ajudaram a criar o primeiro momento de caos na Campus Party. Sob fortes chuvas, o Centro Imigrantes ficou sem luz e, consequentemente, sem internet. O calor, reforçado pelos ventiladores desligados e pelo impedimento de transitar entre as diferentes áreas durante o blecaute, ajudou a minar o bom humor dos participantes.

E não foi só uma vez. A energia caiu duas vezes ao longo do dia, provocando um dos protestos mais nerds já vistos, em que telas de laptops e tablets eram usadas como piquetes contando gritos de guerra. No dia seguinte, dez novos geradores foram comprados e anunciados pelo diretor do evento, Mario Teza.

A partir de quarta-feira, 19, as coisas começaram a ficar mais normais na Campus Party, ao menos para os padrões do evento. O quase brasileiro Jon “Maddog” Hall, diretor-executivo da Linux International, foi o principal palestrante do dia, que ainda teve problemas de conexão, pedido de casamento no palco e as disputadas eliminatórias do campeonato do game Street Fighter.

Na quinta-feira, 20, campuseiros viram celebridades passeando pelos corredores do evento, como a Panicat Babi Rossi e o apresentador de TV Marcos Mion. Também foi o dia em que, por conta de uma ação de marketing, roupões brancos se tornaram vestuário oficial de alguns participantes que toparam encarar a brincadeira apesar do calor (felizmente, todos mantiveram suas roupas “normais” sob o roupão). Também foi o dia em que se apresentaram um dos criadores da Arpanet (rede militar americana precursora da internet), Steve Crocker, e o astronauta brasileiro Marcos Pontes.

A sexta, 21, começou com mais confusão, chuvas e goteiras, que mobilizaram os campuseiros na corrida para manter o computador seco e seguro. Nova queda de energia levou o diretor do evento ao palco principal, em meio a protestos e grande confusão. Geradores foram acionados, mas ainda assim, participantes circularam pelo evento carregando faixas que diziam “nunca mais”, em procissão de tons fúnebres. Na sexta, antes e depois do apagão, se apresentaram os donos do blog Jovem Nerd, ídolos de muitos campuseiros; e Kul Wadhwa, gerente do Wikimedia Foundation, dona da Wikipédia.

No sábado, o último dia foi estrategicamente planejado para fechar com brilho a festa. Boas oficinas, palestrantes interessantes (uma discutia a presença feminina no universo essencialmente masculino da informática e outra as lanhouses e seu papel na inclusão digital), mas o que os nerds queriam mesmo saber era dos dois gringos que falariam naquela tarde: o primeiro é Ben Hammersley, editor da Wired inglesa e futuro diretor da Campus Party estadunidense em 2012. O segundo é, sem dúvida, a estrela de todo o evento: o criador do computador pessoal, cofundador e cabeça da Apple Steve Wozniak reuniu praticamente todos os campuseiros ali presentes para uma palestra de pouco mais de uma hora.

O saldo é de um evento bem sucedido, que agradou a grande maioria dos que dormiram ou estiveram por ali nessa semana – apesar da série de problemas que não foram vistos em edições anteriores. As palestras, oficinas e “distrações” (games, simuladores, flashmobs) certamente agradaram a todos e garantiram o bom nível do evento. A interação entre os campuseiros se deu de forma natural e o ambiente ali era, literalmente, de festa, principalmente após a terça-feira caótica que fez a Campus Party começar com o pé errado. O descuido em relação aos geradores provavelmente não voltará a se repetir em 2012, o que já pode animar os futuros campuseiros. Outro ponto a ser melhorado é o das filas, que o diretor do evento Mario Teza garantiu que vai pensar em sistemas mais eficientes, talvez contratando uma empresa terceirizada especialista em credenciamento. Estaremos lá de novo para conferir.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s